Exercício de versificação respondido

Publicidade
  • Exercícios Sobre Noções de Versificação

     1.  Assinale a alternativa em que o primeiro verso é um decassílabo sáfico.

    Publicidade

     a) fruto, depois de ser semente humilde e flor, /    Na alta árvore nutriz da vida, amadureço.

    b) A dor de quem recorda os tempos idos  /    Fere como um punhal envenenado

    c) Já a lágrima triste choraram teus filhos. /     Teus filhos que choram tão grande tardança

    Publicidade

    d) Índio gigante adormecerá um dia. /     Junto aos Andes por terra era prostrado.

    e) N.D.R.

    2.  Assinale a alternativa  que contém  verso alexandrino.

    Publicidade

    a) Sabíamos que durava, gloriosa e intacta a lua.
    b) Quero a alegria de um barco voltando.
    c) Eu não sei se tudo era pra mim desejo
    d) Ó meu ódio, meu ódio majestoso

    e) N.D.R.

    3.  (FACULDADES OBJETIVO) CANÇÃO AMIGA

    Publicidade

     Eu preparo uma canção

    Em que minha mãe se reconheça,

    Todas as mães se reconheçam

    E que fale com dois olhos

    Caminho por uma rua

    Que passa em muitos países

    Se não me vêem, eu vejo

    E saúdo velhos amigos

    Eu distribuo um segredo

    Como quem ama ou sorri

    Dois carinhos se procuram

    Minha vida, nossa vida

    Formam um só diamente.

    Aprendi novas palavras

    E tornei outro mais belas.

    Eu preparo um canção

    Que faça acordar os homens

    E adormecer as crianças.

    (Carlos Drummond de Andrade)

    Observando a métrica do texto proposto, conclui-se que predominam versos:

    a)  hexassílabos

    b)  octossílabos

    c)  decassílabos

    d)  heptassílabos

    e)  eneassílabos

    4.  (FMU)

    “De tudo, ao meu amor serei atento

    Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

    Que mesmo em face do maior encanto

    Dele se encanto mais meu pensamento”.

                            (Soneto da Felicidade – Vinícius de Morais)

     Sendo a primeira estrofe de um soneto, o texto acima

     a) é obrigatoriamente de quatro versos.

    b) pode ser de três ou quatro versos

    c) poderia ter sido escrito em intuir liberdade quanto ao número de versos

    d) necessita de outra estrofe de quatro versos para terminar a poesia

    e) necessita de outras estrofes de três versos para terminar a poesia.

    5.  No texto acima o:

     a) primeiro verso é esdrúxulo

    b) segundo verso é branco

    c) terceiro verso é livre

    d) terceiro verso é agudo

    e) quarto verso é grave

    6.  Na estrofe acima há:

     a) Quatro versos alexandrinos graves;

    b) Quatro versos alexandrinos agudo

    c) Quatro versos alexandrinos trimétricos;

    d) Quatro versos de onze ou treze sílabas;

    e) Temos versos decassílabos

    7. Faça a escansão dos versos e diga a classificação dos mesmos:

     a)      “Estou deitado sobre  minha mala”

    b)      “Ah! Quem há de exprimir, alma imponente e escrava” (Olavo Bilac)

    c)      “A nuvem guarda o pranto” (Alphonsus de Guimaraens)

    d)      “Tu choraste em presença da morte” (G. Dias)

    e)      “Vagueio campos noturnos” (Ferreira Gullar)   

    f)       “Não sei quem seja o autor” (B. Tigre)

    g)      “e a boca é um pedaço de qualquer tecido vermelho.”  (Manuel de Fonseca)

    h)      Quero a alegria de um barco voltando.

    i)        “Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto”  (V. Moraes)

    j)        “Brilhava o sol, quente e a ma”

    k)      “Amou daquela vez como se fosse a última” (Chico Buarque)

     8. Destaque e classifique as ligações rítmicas dos versos a seguir:

     a)      Ela estava só na casa de pedra.  

    b)      “e a boca é um pedaço de qualquer tecido vermelho.”  (Manuel de Fonseca)

    c)      E nós  co’esperança

    d)      “Não sei quem seja o autor” (B. Tigre)

    e)      “Ah! Quem há de exprimir, alma imponente e escrava” (Olavo Bilac)

    f)       Na alta árvore nutriz da vida, amadureço.

    g)      Junto aos Andes por terra era prostrado.

    h)      Sabíamos que durava, gloriosa e intacta a lua.

    i)        “Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto”  (V. Moraes)

    j)        O beijo é um fósforo aceso  

    k)      “Brilhava o sol, quente e a ma”

    l)        “Amou daquela vez como se fosse a última” (Chico Buarque)

     9.  De acordo com os critérios da versificação, analise os poemas a seguir:

     a)                          

        “Vagueio campos noturnos              

         Muros soturnos                        

         Paredes de solidão                       

         Sufocam minha canção.”               

         (Ferreira Gullar)                                               

    b)

        “Semanas, meses fatais       

        Talvez eu me balançasse      

        Mas toda a vida… é demais!”

        ( Afonso Celso)

     c)  

        “Não sei quem seja o autor    

         Desta sentença de peso          

         O beijo é um fósforo aceso    

         Na palha seca do amor!”               (B. Tigre)

                    d)
        “A menina tonta passa metade do dia
        a namorar quem passa pela rua,
        que a outra metade fica
        pra namorar-se no espelho
        A menina tonta tem olhos de retrós preto,
        cabelos de linha de bordar,
        e a boca é um pedaço de qualquer tecido vermelho.”

              (Manuel de Fonseca)

     e)
        Amo a voz da tempestade.
        Porque agita o coração,
       E o espírito inflamado
       Abre as asas no trovão! (Castro Alves)

    f)
       Não tenho nada com isso nem vem falar
       Eu não consigo entender sua lógica
       Minha palavra cantada pode espantar
       E a seus ouvidos parecer exótica.     ( Caetano Veloso)

     g)
        Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
        E triste, e triste e fatigado eu vinha.
       Tinhas a alma de sonhos povoada,
       E a alma de sonhos povoada eu tinha… (Olavo Bilac)

    h)
       Eu, filho do carbono e do amoníaco,
       Monstro da escuridão e da rutilância
       Sofro, desde a epigênese da infância
      A influência má dos signos do zodíaco. ( Augusto dos Anjos)

     i) Discreta e formosíssima Maria

       Enquanto estamos vendo claramente

       Na vossa ardente vista o sol ardente

       E na rosada face a Aurora fria.

        (Gregório de Matos)

     j) O poeta é um fingidor

       Finge tão completamente

       Que chega a fingir que é dor

       A dor que deveras sente.

        (Fernando Pessoa)

     k) Esta noite – era a lua já morta –
       Anhangá me vedava sonhar;
       Eis na horrível caverna, que habito,
       Rouca voz começou-me a chamar.

       (Gonçalves Dias)

     l) Amou daquela vez como se fosse a última
         Beijou sua mulher como se fosse a última
         E cada filho seu como se fosse o único
         E atravessou a rua com seu passo tímido
         Subiu a construção como se fosse máquina
         Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
         Tijolo com tijolo num desenho mágico

                 (Chico Buarque)

     m) Mas um velho de aspecto venerando,

         Que ficava nas praias, entre a gente,

         Postos em nós os olhos, meneando

         Três vezes a cabeça, descontente,

         A voz pesada um pouco alevantando

         Que nós no mar ouvimos claramente

         C’um saber só de experiências feito,

         Tais palavras tirou do esperto peito: 

         (Luís Vaz de Camões)

     n)  Com a chave na mão

         Quer abrir a porta,

        Não existe porta;

        Quer morrer no mar,

        Mas o mar secou;

        Quer ir para Minas,

        Minas não há mais,

        José, e agora.

       (Carlos Drummond de Andrade)

     o) Amadurecimento?              
        Da lei, a aplicação?            
        Riqueza, crescimento?        
        Progresso da Nação?  

    (Sílvia Araújo Mota)

     p) Um ferrageiro de Carmona,
        que me informava de um balcão:
       Aquilo? É de ferro fundido,
       foi a forma que fez, não a mão.

       (João Cabral de Melo Neto)

     q)  Já silva, já ruge do vento o pegão;
         Estorcem-se os leques dos verdes palmares,
         Volteiam, rebramam, doudejam nos ares,
         Até que lascados baqueiam no chão.

    (Gonçalves Dias)

    r) Estranho mimo aquele vaso! Vi-o,
       Casualmente, uma vez, de um perfumado
       Contador sobre o mármor luzidio,
       Entre um leque e o começo de um bordado.

         ( Alberto de Oliveira)

     s) “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
         Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
         Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
         E abro as janelas, pálido de espanto…

          (Olavo Bilac)

     t) Vês! Ninguém assistiu ao formidável
        Enterro de tua última quimera.
        Somente a Ingratidão – esta pantera –
        Foi tua companheira inseparável!

         (Augusto dos Anjos)

     10. Verifique os versos a seguir e explique o enjambemen.

     “E entra a Saudade… Fiquei
     Como assombrado e sem voz!”

    (Teixeira de Pascoaes)

     GABARITO

     

    1. B
    2. E
    3. D
    4. A
    5. E
    6. E
    7.  

    a)      Es|tou | dei|ta|do | so|bre| mi|nha| ma|la   –  decassílabo

    b)      “Ah!/ Quem/ há/ de ex/pri/mir/,al/ma im/po/nen/te e es/cra/va” (Olavo Bilac) – 12 sílabas poéticas. Alexandrino

    c)      “A| nu|vem| guar|da o| pran|to” (Alphonsus de Guimaraens) – hecaxílabo

    d)      “Tu| cho|ras|te em| pre|sen|ça| da| mor|te” (G. Dias) – eneassílabo ou jâmbico

    e)      “Va/gueio/ cam/pos/ no/tur/nos” (Ferreira Gullar)    – hecaxílabo

    f)       “Não/ sei/ quem/ se/ja o au/tor” (B. Tigre)  –  pentassílabo ou redondilha menor

    g)      “e a/ bo/ca é um/ pe/da/co/ de/ qual/quer/ te/ci/do/ ver/me/lho.”  (Manuel de Fonseca)  – bárbaro

    h)      Que/ro a  a/le/gri/a/ de um/ bar/co/ vol/tan/do.  –  decassílabo
    “Na/tes,/ e/ com/ tal/ ze/lo, e/ sem/pre, e/ tan/to”  (V. Moraes) – decassílabo

    i)        “Bri/lha/va o /sol,/ quen/te e a/ma”  –  hecassílabo

    j)        “A/mou/ da/que/la/ vez/ co/mo/ se/ Fo/sse a  úl/tima” (Chico Buarque) – hendecassílabo ou datílico

     

    8.  

     

    a)      Ela estava só na casa de pedra.   (elisão )

    b)      “e a boca é um pedaço de qualquer tecido vermelho.”  (Manuel de Fonseca)  (sinalefa / elisão +sinalefa)

    c)      E nós  co’esperança   (ectlipse)

    d)      “Não sei quem seja o autor” (B. Tigre)  ( elisão +sinalefa)

    e)      “Ah! Quem há de exprimir, alma imponente e escrava” (Olavo Bilac) (crase, elisão, sinalefa+crase)

    f)       Na alta árvore nutriz da vida, amadureço.    (crase)

    g)      Junto aos Andes por terra era prostrado.    (sinalefa, elisão)

    h)      Sabíamos que durava, gloriosa e intacta a lua.        (elisão)

    i)        “Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto”  (V. Moraes)     (elisão, crase)

    j)        O beijo é um fósforo aceso     (elisão + sinalefa, elisão)

    k)      “Brilhava o sol, quente e ama”     (crase, sinalefa)

    l)        “Amou daquela vez como se fosse a última” (Chico Buarque)  (sinalefa)

     9.

     a)

        “Vagueio campos noturnos    a           

         Muros soturnos                a           

         Paredes de solidão             b            

         Sufocam minha canção.”           b              

         (Ferreira Gullar)                                               

    emparelhadas ou paralelas (aabb)                           

    perfeitas

    a – ricas, femininas

    b – pobres, masculinas

     b)  “Se o casamento durasse     a

        Semanas, meses fatais       b

       Talvez eu me balançasse     a

       Mas toda a vida… é demais! “ b

     cruzadas ou alternadas (abab)

    perfeitas

    a – ricas, femininas

    b – ricas, masculinas

     c)“Não sei quem seja o autor     a

         Desta sentença de peso          b

         O beijo é um fósforo aceso      b

         Na palha seca do amor!”              a       (B. Tigre)

                      ( Afonso Celso)

     opostas, intercaladas (abba)

    perfeitas

    a – pobres, masculinas

    b – ricas, femininas

     d)   “A menina tonta passa metade do dia
        a namorar quem passa pela rua,
        que a outra metade fica
        pra namorar-se no espelho
        A menina tonta tem olhos de retrós preto,
        cabelos de linha de bordar,
        e a boca é um pedaço de qualquer tecido vermelho.”

              (Manuel de Fonseca)

     versos – brancos e livres

     e)
        Amo a voz da tempestade.
        Porque agita o coração, 
       E o espírito inflamado    
       Abre as asas no trovão! (Castro Alves)

    perfeitas   3 e 4 estrofe

    pobre, femininas

    f)
       Não tenho nada com isso nem vem falar
       Eu não consigo entender sua lógica
       Minha palavra cantada pode espantar
       E a seus ouvidos parecer exótica.     ( Caetano Veloso)

     cruzadas ou alternadas (abab)

    imperfeitas  

    a – pobre, masculina

    b – esdrúxula

     g)
        Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
        E triste, e triste e fatigado eu vinha.
       Tinhas a alma de sonhos povoada,
       E a alma de sonhos povoada eu tinha… (Olavo Bilac)

    cruzadas ou alternadas (abab)

    perfeitas  

    a / b- pobre, feminina

     

     h)
       Eu, filho do carbono e do amoníaco,
       Monstro da escuridão e da rutilância
       Sofro, desde a epigênese da infância
      A influência má dos signos do zodíaco. ( Augusto dos Anjos)

     opostas, intercaladas (abba)

    perfeitas

    a / b – pobres, femininas

      i) Discreta e formosíssima Maria

       Enquanto estamos vendo claramente

       Na vossa ardente vista o sol ardente

       E na rosada face a Aurora fria.

        (Gregório de Matos)

    perfeita

    R: Versos decassílabos.

    Rimas: ABBA – opostas

    A – rica e feminina.

    B – rica e feminina.

     j) O poeta é um fingidor

       Finge tão completamente

       Que chega a fingir que é dor

       A dor que deveras sente.

        (Fernando Pessoa)

    perfeita

    R: Redondilha maior.

    Rima ABAB Cruzadas

    A – pobre, masculina

    B – rica, feminina

     k) Esta noite – era a lua já morta –
       Anhangá me vedava sonhar;
       Eis na horrível caverna, que habito,
       Rouca voz começou-me a chamar.

       (Gonçalves Dias)

     Versos: Eneassílabos.

     2 e 3 versos – pobre, masculina

     l) Amou daquela vez como se fosse a última
         Beijou sua mulher como se fosse a última
         E cada filho seu como se fosse o único
         E atravessou a rua com seu passo tímido
         Subiu a construção como se fosse máquina
         Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
         Tijolo com tijolo num desenho mágico

                 (Chico Buarque)

    R: Versos alexandrinos – doze sílabas poéticas. Exdrúxulas

     m) Mas um velho de aspecto venerando,   a

         Que ficava nas praias, entre a gente,   b

         Postos em nós os olhos, meneando     a

         Três vezes a cabeça, descontente,       b

         A voz pesada um pouco alevantando   a

         Que nós no mar ouvimos claramente    b

         C’um saber só de experiências feito,    c

         Tais palavras tirou do esperto peito:     c

         (Luís Vaz de Camões)

     R: Versos decassílabos – oitava rimas

     Abababcc – alternadas e paralelas

     n)  Com a chave na mão

         Quer abrir a porta,

        Não existe porta;

        Quer morrer no mar,

        Mas o mar secou;

        Quer ir para Minas,

        Minas não há mais,

        José, e agora.

       (Carlos Drummond de Andrade)

     Versos brancos

     o) Amadurecimento?              
        Da lei, a aplicação?            
        Riqueza, crescimento?        
        Progresso da Nação?  

    (Sílvia Araújo Mota)

     R: Versos hexassílabos;

    Rima: ABAB – Cruzadas

    A – pobre, feminina

    B – pobre, masculina

     p) Um ferrageiro de Carmona,
        que me informava de um balcão:
       Aquilo? É de ferro fundido,
       foi a forma que fez, não a mão.

       (João Cabral de Melo Neto)

     R: Octassílabos, oito sílabas poéticas.

     q)  Já silva, já ruge do vento o pegão;
         Estorcem-se os leques dos verdes palmares,
         Volteiam, rebramam, doudejam nos ares,
         Até que lascados baqueiam no chão.

    (Gonçalves Dias)

     R: Versos Hendecassílabos.

    Rima: ABBA – Opostas

    A – rica, masculina

    B – rica, feminina

     r) Estranho mimo aquele vaso! Vi-o,
       Casualmente, uma vez, de um perfumado
       Contador sobre o mármor luzidio,
       Entre um leque e o começo de um bordado.

         ( Alberto de Oliveira)

     R: Versos decassílabos

    Rimas ABAB – Cruzadas ou Alternadas

    A – rima rara, feminina

    B – rima rica, feminina

     s) “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
         Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
         Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
         E abro as janelas, pálido de espanto…

          (Olavo Bilac)

     

    R: Versos decassílabos. ABAB – Cruzadas

    A – rima rica, feminina

    B – rima rara, feminina

     t) Vês! Ninguém assistiu ao formidável
        Enterro de tua última quimera.
        Somente a Ingratidão – esta pantera –
        Foi tua companheira inseparável!

         (Augusto dos Anjos)

     R: Versos decassílabos. ABBA – Opostas

    A – rima pobre, feminina

    B – rima rica, feminina

    10. Enjambemen é quando não completa o sentido da expressão num único verso e transporta para o verso a seguir: “fiquei como assombrado e sem voz”

     “E entra a Saudade… Fiquei
     Como assombrado e sem voz!”

    (Teixeira de Pascoaes)

    null