Exercício comentado – Arcadismo

Publicidade
  • LIVRO ARTE LITERÁRIA – ARCADISMO –  CLENIR BELLEZI  – (p. 114 a 133)

     Tomás Antônio Gonzaga – Marília de Dirceu:

    Publicidade

    1. Parafraseie os fragmentos do poema Marília de Dirceu.

     (Arte Literária p. 122 a 124 – verifique o comentário no livro Literatura de Maria Luíza Abaurre p. 196)

    Na primeira parte, Dirceu destaca suas características e as características da sua amada Marília (beleza física). Ele é um vaqueiro invejado por muitos vaqueiro, inclusive por Alceu. Dirceu tem um prado (um sítio, uma fazenda), tem também uma vida regalada, feliz e realizada. Na segunda parte, Dirceu apresenta-se abatido, preocupado com a aparência, está ficando velho e calvo, percebe que Marília ainda é jovem. Também apresenta tristeza por estar preso. Nesta segunda parte há traços de subjetivismo, transição para o Romantismo.

    Publicidade

    2. Destaque os clichês Árcades.

    O ideal de uma vida simples, provida apenas do necessário; sem paixões necessárias (locus amoenus, fugere urbem, inutilia truncat)

    3. Explique o objetivismo na “sedução entre Dirceu e Marília” no poema.

    Publicidade

    Para o barroco, a consciência de que a vida é efêmera leva a um profundo pessimismo. Já para os árcades, materialistas e racionais, essa consciência serve de alerta: se a vida é efêmera e fugaz, melhor aproveitá-la: “prendamo-nos, Marília, em laço estreito,  /  Gozemos do prazer de São Amores”. Além disso, há convencionalismo amoroso, há ausência de subjetivismo, característica própria do Arcadismo.

    4. O amor presente na primeira parte do texto é platônico ou carnal? Justifique.

     A musa é caracterizada de forma sensual: ele alude a seus olhos brilhantes, a sua pele macia como as pétalas das flores, aos cabelos dourados, aos perfumes que ela exala, à beleza e sedução de seu corpo, portanto, é carnal.

    Publicidade

    5. De que maneira o texto da segunda parte contraria os pressupostos do arcadismo?

     Há uma mudança na forma textual, nas características, no tom: o poeta revela o sofrimento físico e  moral; a mulher amada aparece apenas como lembrança remota; desmancham-se os ideais concebidos na primeira parte. Destacar que na segunda parte as alegrias pertencem ao passado; o presente é um momento marcado por decepção e solidão: “Tudo agora perdi; nem tenho o gosto de ver-te ao menos compassivo o rosto”.

     

    Tomás Antônio Gonzaga – Cartas Chilenas:

    6. O que ocorre, verdadeiramente, no prólogo de Cartas Chilenas?

    É um dos artifícios empregados na produção das Cartas Chilenas; não houve nenhum mancebo como portador delas, tampouco, seus originais foram escritos em castelhana. As cartas foram escritas por Tomás Antônio Gonzaga, em função de sua desavença com o governador de Minas Gerais Luís da Cunha Menezes.

    7. Quais os pseudônimos usados nas cartas?

    Doroteu (Cláudio Manuel da Costa) – vivia aparentemente na Espanha, Critilo (Tomás Antônio Gonzaga), Fanfarrão Minésio (Luís da Cunha Meneses) Critilo diz ser o general do Chile. Onde se lê Chile deve ser província de Minas Gerais, onde se lê Santiago deve ser Vila Rica (atual Ouro Preto)

    8. Qual a estrutura do poema?

    8 cartas, 4.268 versos decassílados brancos (sem rima)

    9. Trace um perfil de Luís da Cunha Meneses, de seu despotismo e das condições em que mantinha seus prisioneiros.

    Luís da Cunha Meneses na é condizente com as leis do reino, ele as extrapola com sua crueldade doentia; é apresentado como um sanguinário e torturador: “Estes tristes, mal chegam, são julgados / pelo benigno Chefe a cem açoites”.

     

    Basílio da Gama – O Uraguai

    10. Qual o assunto da obra O Uraguai?

    Tem como assunto um episódio importante da História do Brasil e da América do Sul: a guerra pela definição de fronteiras perpetrada pela Companhia de Jesus, tendo, de um lado, jesuítas espanhóis – que fundaram os Sete Povos das Missões, a noroeste do atual Estado do Rio Grande do Sul, às margens do Rio Uruguai – e, de outro, jesuítas portugueses, que ocupavam uma região na foz do Rio Prata, aproximadamente a 66Km de Buenos Aires, a Nova Colônia do Santíssimo Sacramento, ponto situado no extremo sul dos domínios espanhóis.

    11. O que determinava o Tratado de Madri?

    A troca de ambas as colônias

    12. A visão que Basílio tem do índio já reflete o sentimento nativista que o Romantismo tanto  cultivou:

    a)      Como são caracterizadas as personagens Lindoia e Caitutu?

    As personagens são caracterizadas como resistentes e corajosas ante o perigo.

    b)      Essas personagens estão mais próximas da realidade ou de figuras idealizadas?

    Essas personagens estão mais próximas de figuras idealizadas; revelam as tendências românticas do autor.

    c)      O lugar é descrito como “delicioso e triste”. Explique por quê.

    A cena se passa no meio campestre e, como tal, idealizado pelos árcades, porém, será palco para um episódio de dor e morte.

    13. Em relação aos outros escritores do Arcadismo brasileiro, Basílio da Gama apresenta as mesmas convenções árcades? Justifique a resposta a partir do vocabulário e dos recursos de linguagem empregados. Não.

    O tom passional com que conduz a narrativa, o caráter emocional das atitudes de Lindoia, que morre por amor, e de Caitutu, pertubado, são indícios do pré-romantismo.

    1. Quanto ao aspecto formal, o poema apresenta versos brancos, sem rimas, e quanto ao número de sílabas poéticas, há alguma regularidade?

    Sim, os versos são decassílabos.

     

    Santa Rita Durão – Caramuru

     

    14. Em que medida, o fragmento da obra Caramuru sofre influências camonianas? Justifique com base no texto.

     É uma epopeia, com versos decassílabos, organizado em oitava real. Predominam as rimas alternadas ABAB

    15. O discurso de Moema é coerente com sua condição? Justifique.

    Não, uma vez que as atitudes de Moema estão mais próximas das características de uma heroína romântica.

    16. Prevalece no texto o tom lírico ou patético? Justifique.

    Prevalece o patético, imagina-se a cena improvável e ridícula.

    17. Qual a história de Caramuru?

    Conta a história de Diogo Álvares Correia, que naufragou na Bahia. Seus companheiros de viagem foram devorados pelos índios, ele escapou. Ao dar um tiro de espingarda, Diogo Álvares ficou conhecido como Caramuru – o filho do trovão – isso rende a Diogo prestígio na aldeia e o assédio da moças, especialmente de Moema, porém, Diogo se apaixona por Paraguaçu, a filha do cacique e com ela retorna a Portugal, pegando carona em um navio francês. Casa-se com ela, e Paraguaçu é batizada em ritual católico por Catarina de Médicis

     

    LIVRO LITERATURA BRASILEIRA: TEMPO, LEITURA E LEITORES – BARROCO –  MARIA LUÍZA ABAURRE   E  MARCELA PONTARA (P. 184 A 201)

     

    18. (Bocage – Recreios Campestres)  A quem se dirige o eu lírico? Que convite faz?

    O eu lírico se dirige a uma mulher chamada Marília (pseudônimo). Ele a convida a observar juntamente com ele a perfeição da natureza.

    19. (Bocage – Recreios Campestres) Como a natureza é apresentada no poema?

    A natureza é caracterizada de modo positivo: o rio Tejo “sorri”, as borboletas coloridas brincam, enquanto o rouxinol e a abelhinha voam etc. Em resumo, o cenário apresentado pelo eu lírico é alegre e acolhedor.

    20. Qual o projeto literário do Arcadismo?

    Divulgação dos ideais de uma sociedade mais igualitária e justa.

    Tentiva de modificar a mentalidade das elites.

    21. Quais as condições de produção dos textos árcades?

     São semelhantes as do Barroco. Os poetas árcades se reúnem em academias, agora denominadas arcádias, e definem os princípios segundo os quais os textos literários devem ser escritos.

    22. Qual a diferença entre as academias e as Arcádias?

    Nas academias barrocas barrocas, a criação literária era feita para surpreender, espantar por meio de seu rebuscamento, as arcádias literárias, por sua vez, combatem esse objetivo.

    23. Comente sobre o bucolismo e o pastoralismo no arcadismo.

     

    O bucolismo na poesia árcade é quando apresenta aspectos da vida campestre. O pastoralismo é quando o poeta e sua amada são identificados como pastor e pastora.

     

    24. Por que a linguagem do arcadismo é simples?

    Para combater o estilo ornamental e rebuscado do Barroco.

     

    25. (Bocage – Convite à Marília) Qual é o assunto tratado no poema?

    O eu lírico faz um convite à sua amada para que desfrute, com ele, a beleza e a simplicidade da natureza.

     

    26. (Bocage – Convite à Marília)  Cite os clichês árcades.

    Locus amoenus ( a natureza é bela, a primavera fértil o prado (campo) verde, Aureo mediocritas (convite à vida simples no campo – vem lograr comigo destes alegres campos, fugere urbem – (a civilização contamina – deixa o louvar da corte a vã grandeza, quanto me agrada mais estar contigo, notando as perfeições da Natureza!)

     

    27. (Cláudio Manuel– Leia a Posteridade…) Qual é o propósito do poema?

    Celebrar, para a posteridade, o nome do rio pátrio, para que não seja esquecido com o passar do tempo.

     

    28. (Cláudio Manuel– Leia a Posteridade…) Qual é a referência negativa em relação aos ideais árcades?

    O eu lírico diz que não há, nas margens do rio, uma árvore que ofereça boa sombra, em suas águas não cantam as Ninfas, o gado não pasta nas tardes de verão.

     

    29. (Cláudio Manuel– Leia a Posteridade…)  Qual a causa da celebração do rio?

    É identificada na terceira estrofe: suas águas escondem a riqueza do ouro, que alimenta as ambições humanas.

     

    30. (Cláudio Manuel– Leia a Posteridade…) Explique a última estrofe.

    O eu-lírico explica a presença do metal precioso como uma consequência dos raios solares que aquecem o rio como uma forma de bênção natural.

     

    31. (Cláudio Manuel– Estes os olhos são da minha amada…) Cite as características da mulher amada.

    Escolhe a partir de um aspecto físico e iguala a natureza. Ele compara os olhos da amada como duas estrelas.

     

    32. (Cláudio Manuel– Destes penhascos fez a natureza…) Na segunda estrofe ocorre uma personificação do amor, como ele é apresentado?

     O amor é apresentado como um guerreiro forte, que vence os tigres, e que toma como objetivo render o eu lírico, declarando-lhe guerra ao coração.

     

    33. (Cláudio Manuel– Destes penhascos fez a natureza…) Quem é o interlocutor a quem o eu lírico se dirige na última estrofe?

    O eu lírico se dirige às pedras. Ele diz para temerem a ferocidade do Amor (caracterizado como tirano), que mais se empenha onde há mais resistência.

     

    34. (Cláudio Manuel– Destes penhascos fez a natureza…) No soneto transcrito, o poeta evidencia uma forte característica de sua obra: a incorporação de elementos da paisagem local ao cenário árcade. Qual é o elemento local presente no texto?

     O elemento da paisagem local (Minas Gerais) incorporado é o cenário rochoso (penhascos e penhas). Observe o significado: o eu lírico  marca a oposição entre o cenário e sua alma. Seria de esperar que entre as rochas que caracterizam o cenário se encontrasse um “peito forte”, mas entre as “penhas” se criou uma “alma terna” e um “peito sem dureza”, que não consegue resistir à guerra que o Amor declara contra ele.

    34.  (Bocage) – Analise os sonetos a seguir, Diga se há características árcades, se há transição para o Romantismo, cite os clichês árcades e outros temas que você julgar necessário.

        Há     subjetivismo no poema, característica do Romantismo. Não se pode dizer que     Bocage fosse um romântico, isso era motivado pela força do temperamento     dele mais os sofrimentos que passou na vida. É um poema pessimista, pode-se     por isso, encontrar transição para o Romantismo. Assim, o Locus Amoenus     árcade cede lugar ao locus horrendus romântico; apoderam-se dos seus versos     a emoção, o pessimismo, as imagens lúgubres, o desejo de morte e a     espiritualidade.

    Ó retrato da morte! Ó Noite amiga,

    Por cuja escuridão suspiro há tanto!

    Calada testemunha de meu pranto,

    De meus desgostos secretária antiga!

     

    Pois manda Amor que a ti somente os diga

    Dá-lhes pio agasalho no teu manto;

    Ouve-os, como costumas, ouve, enquanto

    Dorme a cruel que a delirar me obriga.

     

    E vós, ó cortesãos da escuridade,

    Fantasmas vagos, mochos piadores,

    Inimigos, como eu, da claridade!

     

    Em bandos acudi aos meus clamores;

    Quero a vossa medonha sociedade,

    Quero fartar meu coração de horrores.

     

    ************

     

          Há     subjetivismo no poema, característica do Romantismo,  pode-se dizer que apresenta traços de     transição para o Romantismo. Não se pode dizer que Bocage fosse um     romântico, mas ele já vivia os últimos momentos da sua vida, reconhecia a     sua fragilidade, a sua impulsividade, arrepende-se da língua ferina, daí     porque abandona as características árcades e apresenta subjetivismo     Romântico.

    Meu ser evaporei na lida insana

    Do tropel de paixões, que me arrastava;

    Ah!, cego eu cria, ah!, mísero eu sonhava

    Em mim quase imortal a essência humana.

     

     

    De que inúmeros sóis a mente ufana

    Existência falaz me não doirava!

    Mas eis sucumbe a Natureza escrava

    Ao mal que a vida em sua origem dana.

     

    Prazeres, sócios meus e meus tiranos!

    Esta alma, que sedenta em si não coube,

    No abismo vos sumiu dos desenganos.

     

    Deus, ó Deus!… Quando a morte à luz me roube,

    Ganhe um momento o que perderam anos.

    Saiba morrer o que viver não soube.

     

    **************

       É um     soneto autobiográfico, nele, Bocage compara a sua vida a vida de Camões.     Coloca-se como imitador de Camões. O soneto não apresenta traços de     subjetivismo como os sonetos anteriores, apresenta características árcades:     linguagem simples, imitação dos clássicos…   

    Camões, grande Camões, quão semelhante

    Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!

    Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,

    Arrostar co’o sacrílego gigante;

     

    Como tu, junto ao Ganges sussurrante,

    Da penúria cruel no horror me vejo;

    Como tu, gostos vãos, que em vão desejo,

    Também carpindo estou, saudoso amante.

     

    Ludíbrio, como tu, da Sorte dura

    Meu fim demando ao Céu, pela certeza

    De que só terei paz na sepultura.

     

    Modelo meu tu és, mas… oh, tristeza!…

    Se te imito nos transes da Ventura,

    Não te imito nos dons da Natureza.

     

    ******************

       Faz     referência a Adamastor, gigante da epopeia Os Lusíadas de Camões, essa  volta ao Classicismo é característica do Arcadismo. Fora Adamastor, faz     referência a Vênus e a Vasco da Gama   

    Adamastor cruel! De teus furores

    Quantas vezes me lembro horrorizado!

    Ó monstro! Quantas vezes tens tragado

    Do soberbo Oriente os domadores!

    Parece-me que entregue a vis traidores

     

    Estou vendo Sepúlveda afamado,

    Co’a esposa e co’os filhinhos abraçado,

    Qual Mavorte com Vénus e os Amores.

     

    Parece-me que vejo o triste esposo,

    Perdida a tenra prole e a bela dama,

    Às garras dos leões correr furioso.

     

    Bem te vingaste em nós do afoito Gama!

    Pelos nossos desastres és famoso.

    Maldito Adamastor! Maldita fama!

     

    **************

    SONETO DITADO NA AGONIA

          Há     subjetivismo no poema, característica do Romantismo,  pode-se dizer que apresenta traços de     transição para o Romantismo. Não se pode dizer que Bocage fosse um     romântico, mas ele já vivia os últimos momentos da sua vida, reconhecia a     sua fragilidade, a sua impulsividade, arrepende-se da língua ferina, daí     porque abandona as características árcades e apresenta subjetivismo     Romântico.

     

    Já Bocage não sou!… À cova escura

    Meu estro vai parar desfeito em vento…

    Eu aos Céus ultrajei! O meu tormento

    Leve me torne sempre a terra dura;

     

    Conheço agora já quão vã figura,

    Em prosa e verso fez meu louco intento:

    Musa!… Tivera algum merecimento

    Se um raio da razão seguisse pura.

     

    Eu me arrependo; a língua quase fria

    Brade em alto pregão à mocidade,

    Que atrás do som fantástico corria:

     

    Outro Aretino fui… a santidade

    Manchei!… Oh! Se me creste, gente ímpia,

    Rasga meus versos, crê na eternidade!

    35. (Alvarenga Peixoto) – Analise os sonetos a seguir, cite as características árcades, se há transição para o Romantismo, cite os clichês árcades e outros temas que você julgar necessário.

     

    Não     há transição para o Romantismo. Mostra a ideia social que havia no     arcadismo, a luta –arranca da espada, descarrega o corte. Há referência a     clichês árcades “Alcides”, “Termindo”. Mostra a imagem de paisagem “das     novas terras por engenhos claro”

    Entro pelo Uraguai: vejo a cultura
    Das novas terras por engenho claro;
    Mas chego ao Templo magnífico e paro
    Embebido nos rasgos da pintura.

    Vejo erguer-se a República perjura
    Sobre alicerces de um domínio avaro:
    Vejo distintamente, se reparo,
    De Caco usurpador a cova escura.

    Famoso Alcides, ao teu braço forte
    Toca vingar os cetros e os altares:
    Arranca a espada, descarrega o corte.

    E tu, Termindo, leva pelos ares
    A grande ação já que te coube em sorte
    A gloriosa parte de a cantares

     

     

    **********************

       Há     traços de subjetivismo, de religiosidade “às santas leis do filho de     Maria”. O poeta dedica o poema à filha Efigênia que morreu ainda criança.     Talvez por esse motivo, o poema se aproxima das características românticas.     Além disso, há um tom pessimista, o eu lírico contempla a brevidade da vida     “que o mundo são brevíssimos instantes”

    A Maria Ifigênia

    Em 1786, quando completava sete anos.

    Amada filha, é já chegado o dia,
    em que a luz da razão, qual tocha acesa
    vem conduzir a simples natureza,
    é hoje que o teu mundo principia.

    A mão que te gerou teus passos guia,
    despreza ofertas de uma vã beleza,
    e sacrifica as honras e a riqueza
    às santas leis do filho de Maria.

    Estampa na tua alma a caridade,
    que amar a Deus, amar aos semelhantes,
    são eternos preceitos da verdade.

    Tudo o mais são ideias delirantes;
    procura ser feliz na eternidade,
    que o mundo são brevíssimos instantes.

    ***********************

       Há     áurea mediocritas – o campo é o lugar simples. O ambiente é bucólico, faz     referência a aves, pastores, flores, ciprestes. Outra característica árcade     é a referência à mitologia: Pã, Ninfas, cupido (sem arcos, sem aljavas,os     Amores), Vênus, Palas. Pseudônimo da amada: Jônia.

    Ao mundo esconde o Sol seus resplendores,
    e a mão da Noite embrulha os horizontes;
    não cantam aves, não murmuram fontes,
    não fala Pã na boca dos pastores.

    Atam as Ninfas, em lugar de flores,
    mortais ciprestes sobre as tristes frontes;
    erram chorando nos desertos montes,
    sem arcos, sem aljavas, os Amores.

    Vênus, Palas e as filhas da Memória,
    deixando os grandes templos esquecidos,
    não se lembram de altares nem de glória.

    Andam os elementos confundidos:
    ah, Jônia, Jônia, dia de vitória
    sempre o mais triste foi para os vencidos!

     

    *************************

    De açucenas e rosas misturadas
    não se adornam as vossas faces belas,
    nem as formosas tranças são daquelas
    que dos raios do sol foram forjadas.

    As meninas dos olhos delicadas,
    verde, preto ou azul não brilha nelas;
    mas o autor soberano das estrelas
    nenhumas fez a elas comparadas.

    Ah, Jônia, as açucenas e as rosas,
    a cor dos olhos e as tranças d’oiro
    podem fazer mil Ninfas melindrosas;

    Porém quanto é caduco esse tesoiro:
    vós, sobre a sorte toda das formosas,
    inda ostentais na sábia frente o loiro!

     

       A     beleza da mulher é misturada com a beleza da natureza, são ornamentos     simétricos, perfeitos, harmoniosos (De açucenas e rosas misturadas, não se     adornam as vossas faces belas). Pseudônimo da amada: Jônia.

    *********************

     

       Refere-se     à  Jônia (pseudônimo), mulher linda e comprometida. Jônia é uma das musas do poeta. Depois refere-se a outra musa Nise (pseudônimo). O eu lírico se encanta pelas duas, não sabe a quem escolher. Características árcades: o amor é convencional, é um jogo de sedução, próprio do arcadismo, visto que o que prevalece é a razão, é o eu lírico que não se identifica que se apaixona por duas mulheres, para elas, ele utiliza pseudônimos. O eu lírico apela para o cupido (deus mitológico) para decidir a questão.

    Eu vi a linda Jônia e, namorado,
    fiz logo voto eterno de querê-la;
    mas vi depois a Nise, e é tão bela,
    que merece igualmente o meu cuidado.

    A qual escolherei, se, neste estado,
    eu não sei distinguir esta daquela?
    Se Nise agora vir, morro por ela,
    se Jônia vir aqui, vivo abrasado.

    Mas ah! que esta me despreza, amante,
    pois sabe que estou preso em outros braços,
    e aquela me não quer, por inconstante.

    Vem, Cupido, soltar-me destes laços:
    ou faze destes dois um só semblante,
    ou divide o meu peito em dois pedaços!

     

    ************************

     

    Há     traços de subjetivismo. O eu lírico fala da prisão, faz referência ao     envolvimento na Inconfidência Mineira, fato que ocasionou o seu desterro     para a África. Há pessimismo no poema, transição para o Romantismo.

    Eu não lastimo o próximo perigo,
    Uma escura prisão, estreita e forte;
    Lastimo os caros filhos, a consorte,
    A perda irreparável de um amigo.

    A prisão não lastimo, outra vez digo,
    nem o ver iminente o duro corte,
    que é ventura também achar a morte
    quando a vida só serve de castigo.

    Ah, quão depressa então acabar vira
    este enredo, este sonho, esta quimera,
    que passa por verdade e é mentira!

    Se filhos, se consorte não tivera
    e do amigo as virtudes possuíra,
    um momento de vida eu não quisera.

     

     

    *************************

     

    Não me aflige do potro a viva quina;
    Da férrea maça o golpe não me ofende;
    Sobre as chamas a mão se não estende;
    Não sofro do agulhete a ponta fina.

    Grilhão pesado os passos não domina;
    Cruel arrocho a testa me não fende;
    À força perna ou braço se não rende;
    Longa cadeia o colo não me inclina.

    Água e pomo faminto não procuro;
    Grossa pedra não cansa a humanidade;
    A pássaro voraz eu não aturo.

    Estes males não sinto, é bem verdade;
    Porém sinto outro mal inda mais duro:
    Da consorte e dos filhos a saudade!

     

       Há     traços de subjetivismo. O eu lírico fala do exílio, resultado do seu  envolvimento na Inconfidência Mineira. Há     pessimismo no poema, saudosismo, transição para o Romantismo.

     

    36. (Silva Alvarenga) – Analise os sonetos a seguir, cite as características árcades, se há transição para o Romantismo, cite os clichês árcades e outros temas que você julgar necessário.

      Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)   Bucolismo     – referência ao campo.   

    A     natureza como cenário.

     

    I

    Suave fonte pura,

    Que desces murmurando sobre a areia,

    Eu sei que a linda Glaura se recreia

    Vendo em ti dos seus olhos a ternura;

    Ela já te procura;

    Ah! como vem formosa e sem desgosto!

    Não lhe pintes o rosto:

    Pinta-lhe, ó clara fonte, por piedade,

    Meu terno amor, minha infeliz saudade.

    XV

    No ramo da mangueira venturosa

    Triste emblema de amor gravei um dia,

    E às Dríades saudoso oferecia

    Os brandos lírios, e a purpúrea rosa.

    Então Glaura mimosa

    Chega do verde tronco ao doce abrigo…

    Encontra-se comigo…

    Perturbada suspira, e cobre o rosto.

    Entre esperança e gosto

    Deixo lírios, e rosas… deito tudo;

    Mas ela foge (Ó Céus!) e eu fico mudo.

    XXIV

    Não desprezes, ó Glaura, entre estas flores,

    Com que os prados matiza a bela Flora,

    O Jambo, que os Amores

    Colheram ao surgir a branca aurora.

    A Dríade suspira, geme e chora

    Aflita e desgraçada.

    Ela foi despojada… os ais lhe escuto…

    Verás neste tributo,

    Que por sorte feliz nasceu primeiro,

    Ou fruto que roubou da rosa o cheiro,

    Ou rosa transformada em doce fruto.

    ********************

     

       Comparação     da amada com a natureza, há equilíbrio e beleza.       

    À LUA

    Como vens tão vagarosa,

    Oh formosa e branca lua!

    Vem co’a tua luz serena

    Minha pena consolar!

    Geme, oh! céus, mangueira antiga,

    Ao mover-se o rouco vento,

    E renova o meu tormento

    Que me obriga a suspirar!

    Entre pálidos desmaios

    Me achará teu rosto lindo

    Que se eleva refletindo

    Puros raios sobre o mar.

    *******************

     

    Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)

       Faz     referência ao relacionamento amoroso dos dois.   Há     traços de subjetivismo no poema – transição para o Romantismo

    Madrigal III [Voai, suspiros tristes;]

    Voai, suspiros tristes;
    Dizei à bela Glaura o que eu padeço,
    Dizei o que em mim vistes,
    Que choro, que me abraso, que esmoreço.
    Levai em roxas flores convertidos
    Lagrimosos gemidos que me ouvistes:
    Voai, suspiros tristes;
    Levai minha saudade;
    E, se amor ou piedade vos mereço,
    Dizei à bela Glaura o que eu padeço.

    *******************************

     

    Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)

       Bucolismo     – referência ao campo.   A     natureza como cenário.

       

    Madrigal LIII [Tu és no campo, ó Rosa,]

    Tu és no campo, ó Rosa,
    A flor de mais beleza
    De quantas produziu a Natureza
    Que em tuas perfeições foi cuidadosa.
    E se Glaura formosa
    No seio dos prazeres te procura,
    Qual outra flor será de mais ventura,
    Ou mais digna de amor ou mais mimosa?
    Tu és no campo, ó Rosa,
    A flor de mais ventura e mais beleza
    De quantas produziu a Natureza.

     

    ***************************

       Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)   Bucolismo     – referência ao campo.

       A     natureza como cenário.   Referência     à mitologia   

       

    Madrigal XVIII [Suave Agosto as verdes laranjeiras]

    Suave Agosto as verdes laranjeiras
    Vem feliz matizar de brancas flores,
    Que, abrindo as leves asas lisonjeiras,
    Já Zéfiro respira entre os Pastores
    Nova esperança alenta os meus ardores
    Nos braços da ternura.
    Ó dias de ventura,
    Glaura vereis à sombra das mangueiras!
    Suave Agosto as verdes laranjeiras
    Co’a turba dos Amores
    Vem feliz matizar de brancas flores.

     

     

       Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)   Bucolismo     – referência ao campo.

       A     natureza como cenário.   Referência     à mitologia.   

    Referência     ao relacionamento amoroso – há saudosismo – transição ao Romantismo.

     

     

     

    O Amante Satisfeito – Rondó XXVI

    Canto alegre nesta gruta,

    E me escuta o vale e o monte:

    Se na fonte Glaura vejo,

    Não desejo mais prazer.
    Este rio sossegado,

    Que das margens se enamora,

    Vê co’as lágrimas da Aurora

    Bosque e prado florescer.
    Puro Zéfiro amoroso

    Abre as asas lisonjeiras,
    E entre as folhas das mangueiras
    Vai saudoso adormecer.

    Canto alegre nesta gruta,
    E me escuta o vale e o monte:
    Se na fonte Glaura vejo,
    Não desejo mais prazer.

    Novos sons o Fauno ouvindo
    Destro move o pé felpudo:
    Cauteloso, agreste e mudo
    Vem saindo por me ver.

    Quanto vale uma capela
    De jasmins, lírios e rosas,
    Que co’as Dríades mimosas
    Glaura bela foi colher!

    Canto alegre nesta gruta,
    E me escuta o vale e o monte.
    Se na fonte Glaura vejo,
    Não desejo mais prazer.

    Receou tristes agoiros
    A inocência abandonada;
    E aqui veio retirada
    Seus tesoiros esconder.

    O mortal, que em si não cabe,
    Busque a paz de clima em clima;
    Que os seus dons no campo estima,
    Quem os sabe conhecer.

    Canto alegre nesta gruta,
    E me escuta o vale e o monte:
    Se na fonte Glaura vejo,
    Não desejo mais prazer.

    Os metais adore o mundo;
    Ame as pedras, com que sonha,
    Do feliz Jequitinhonha,
    Que em seu fundo as viu nascer.

    Eu contente nestas brenhas
    Amo Glaura e amo a lira,
    Onde terno amor suspira,
    Que estas penhas faz gemer.

    Canto alegre nesta gruta,
    E me escuta o vale e o monte:
    Se na fonte Glaura vejo,
    Não desejo mais prazer.

    ****************************

     

     

       Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)   Bucolismo     – referência ao campo.

       A     natureza como cenário.   Referência     ao relacionamento amoroso – há saudosismo – transição ao Romantismo. 

       

    O Beija-Flor – Rondó VII

    Deixo, ó Glaura, a triste lida
    Submergida em doce calma;
    E a minha alma ao bem se entrega,
    Que lhe nega o teu rigor.

    Neste bosque alegre e rindo
    Sou amante afortunado;
    E desejo ser mudado
    No mais lindo Beija-flor.

    Todo o corpo num instante
    Se atenua, exala e perde:
    É já de oiro, prata e verde
    A brilhante e nova cor.

    Deixo, ó Glaura, a triste lida
    Submergida em doce calma;
    E a minha alma ao bem se entrega,
    Que lhe nega o teu rigor.

    Vejo as penas e a figura,
    Provo as asas, dando giros;
    Acompanham-me os suspiros,
    E a ternura do Pastor.

    E num vôo feliz ave
    Chego intrépido até onde
    Riso e pérolas esconde
    O suave e puro Amor.

    Deixo, ó Glaura, a triste lida
    Submergida em doce calma;
    E a minha alma ao bem se entrega,
    Que lhe nega o teu rigor.

    Toco o néctar precioso,
    Que a mortais não se permite;
    É o insulto sem limite,
    Mas ditoso o meu ardor;

    Já me chamas atrevido,
    Já me prendes no regaço:
    Não me assusta o terno laço,
    É fingido o meu temor.

    Deixo, ó Glaura, a triste lida
    Submergida em doce calma;
    E a minha alma ao bem se entrega,
    Que lhe nega o teu rigor.

    Se disfarças os meus erros,
    E me soltas por piedade,
    Não estimo a liberdade,
    Busco os ferros por favor.

    Não me julgues inocente,
    Nem abrandes meu castigo;
    Que sou bárbaro inimigo,
    Insolente e roubador.

    Deixo, ó Glaura, a triste lida
    Submergida em doce calma;
    E a minha alma ao bem se entrega,
    Que lhe nega o teu rigor.

    ************************

     

    Glaura     (pseudônimo da musa inspiradora do poeta, característica do arcadismo)

       Bucolismo     – referência ao campo.   A natureza     como cenário.   Referência     ao relacionamento amoroso – há saudosismo – transição ao Romantismo.

           

       

    O Rio – Rondó XLIX

    Chora o Rio entre arvoredos,
    Nos penedos recostado:
    Chora o prado, chora o monte,
    Chora a fonte, a praia, o mar.

    Vêm as Graças lagrimosas,
    E os Amores sem ventura
    Nesta fria sepultura
    Pranto e rosas derramar.

    Por ti, Glaura, a Natureza
    Se cobriu de mágoa e luto:
    Quanto vejo, quanto escuto
    É tristeza, e é pesar.

    Chora o Rio entre arvoredos,
    Nos penedos recostado:
    Chora o prado, chora o monte,
    Chora a fonte, a praia, o mar.

    A escondida, áspera furna
    Deixam sátiros agrestes,
    E de lúgubres ciprestes
    Vem a urna circular.

    Vêm saudades, vêm delírios,
    Vem a dor, vem o desgosto
    Com os cabelos sobre o rosto
    Murta e lírios espalhar.

    Chora o Rio entre arvoredos,
    Nos penedos recostado:
    Chora o prado, chora o monte,
    Chora a fonte, a praia, o mar.

    Nestes ramos flébil aura
    Triste voa e presa gira:
    Glaura aqui, e ali suspira,
    Torna Glaura a suspirar.

    Eco, as Dríades magoa,
    O saudoso nome ouvindo;
    E na gruta repetindo,
    Glaura soa e geme o ar.

    Chora o Rio entre arvoredos,
    Nos penedos recostado:
    Chora o prado, chora o monte,
    Chora a fonte, a praia, o mar.

    Glaura ó Morte enfurecida,
    Expirou… que crueldade!
    E pudeste sem piedade
    Sua vida arrebatar?

    Cai a noite, a névoa grossa
    Turba os Céus com manto escuro;
    E eu aflito em vão procuro
    Quem me possa consolar.

    Chora o Rio entre arvoredos,
    Nos penedos recostado:
    Chora o prado, chora o monte,
    Chora a fonte, a praia, o mar

     

     

     

    37. (Cláudio Manuel da Costa) – Analise os sonetos a seguir, cite as características árcades, se há transição para o Romantismo, cite os clichês árcades e outros temas que você julgar necessário.

     

    Não     há transição para o Romantismo.   

    Bucolismo     – referência ao campo, rebanho, Pastor “Daliso” (pseudônimo).  

    A natureza     como cenário.  

       

    XII

     

    Fatigado da calma se acolhia
    Junto o rebanho à sombra dos salgueiros;
    E o sol, queimando os ásperos oiteiros,
    Com violência maior no campo ardia.

     

    Sufocava se o vento, que gemia
    Entre o verde matiz dos sovereiros;
    E tanto ao gado, como aos pegureiros
    Desmaiava o calor do intenso dia.

     

    Nesta ardente estação, de fino amante
    Dando mostras Daliso, atravessava
    O campo todo em busca de Violante.

     

    Seu descuido em seu fogo desculpava;
    Que mal feria o sol tão penetrante,
    Onde maior incêndio a alma abrasava.

    XIII

    Não     há transição para o Romantismo.   

    Bucolismo     – referência ao campo.   

    A     natureza como cenário.   

    Pseudônimo     da Amada “Nise”.   

    Convencionalismo     amoroso – o amor é objetivo, é o pastor que procura a amada Nise (usa o     pseudônimo)   

    Nise ? Nise ? onde estás ? Aonde espera
    Achar-te uma alma, que por ti suspira,
    Se quanto a vista se dilata, e gira,
    Tanto mais de encontrar te desespera!

     

    Ah se ao menos teu nome ouvir pudera
    Entre esta aura suave, que respira!
    Nise, cuido, que diz; mas é mentira.
    Nise, cuidei que ouvia; e tal não era.

     

    Grutas, troncos, penhascos da espessura,
    Se o meu bem, se a minha alma em vós se esconde,
    Mostrai, mostrai-me a sua formosura.

     

    Nem ao menos o eco me responde!
    Ah como é certa a minha desventura!
    Nise ? Nise ? onde estás ? aonde ? aonde ?

    XIV

     

       Não     há transição para o Romantismo.   Bucolismo     – referência ao campo.   

    A     natureza como cenário.   

    Fugere     Urbem – o cortesão é a cidade, nela não há sinceridade, apresenta o     cortesão dissimulado. No campo, há o pastor, neste há inocência.   

    Quem deixa o trato pastoril amado
    Pela ingrata, civil correspondência,
    Ou desconhece o rosto da violência,
    Ou do retiro a paz não tem provado.

    Que bem é ver nos campos transladado
    No gênio do pastor, o da inocência!
    E que mal é no trato, e na aparência
    Ver sempre o cortesão dissimulado!

    Ali respira amor sinceridade;
    Aqui sempre a traição seu rosto encobre;
    Um só trata a mentira, outro a verdade.

    Ali não há fortuna, que soçobre;
    Aqui quanto se observa, é variedade:
    Oh ventura do rico! Oh bem do pobre!

    XV

     

       Não     há transição para o Romantismo.   Bucolismo     – referência ao campo.   

    A     natureza como cenário.   

    Pseudônimos     – Corino, Alcino, Antandra.   

    Formoso, e manso gado, que pascendo
    A relva andais por entre o verde prado,
    Venturoso rebanho, feliz gado, Que à bela
    Antandra  estais obedecendo;

     

    Já de Corino os ecos percebendo
    A frente levantais, ouvis parado;
    Ou já de Alcino ao canto levantado,
    Pouco e pouco vos ides recolhendo;

     

    Eu, o mísero Alfeu, que em meu destino
    Lamento as sem razões da desventura,
    A seguir vos também hoje me inclino:

     

    Medi meu rosto: ouvi minha ternura;
    Porque o aspecto, e voz de um peregrino
    Sempre faz novidade na espessura.

    XVI

     

       Não     há transição para o Romantismo.   Pseudônimos     – Lise, Fido.

       Convencionalismo     amoroso – o amor é um jogo de sedução, deve ser objetivo e fatal.   

    Toda a mortal fadiga adormecia

    No silêncio, que a noite convidava;

    Nada o sono suavíssimo alterava

    Na muda confusão da sombra fria:

    Só Fido, que de amor por Lise ardia,
    No sossego maior não repousava;
    Sentindo o mal, com lágrimas culpava
    A sorte; porque dela se partia.

     

    Vê Fido, que o seu bem lhe nega a sorte;
    Querer enternecê-na é inútil arte;
    Fazer o que ela quer, é rigor forte:

     

    Mas de modo entre as penas se reparte;
    Que à Lise rende a alma, a vida à morte:
    Por que uma parte alente a outra parte.

    XVII

     

    Não     há transição para o Romantismo.   

    Bucolismo     – referência ao campo – ovelha.   

    A     natureza como cenário.   

    Referência     à Mitologia

     

     

    Deixa, que por um pouco aquele monte

    Escute a glória, que a meu peito assiste:

    Porque nem sempre lastimoso, e triste

    Hei de chorar à margem desta fonte.

     

    Agora, que nem sombra há no horizonte,
    Nem o álamo ao zéfiro resiste,
    Aquela hora ditosa, em que me viste
    Na posse de meu bem, deixa, que conte.

     

    Mas que modo, que acento, que harmonia
    Bastante pode ser, gentil pastora,
    Para explicar afetos de alegria!

     

    Que hei de dizer, se esta alma, que te adora,
    Só costumada às vozes da agonia,
    A frase do prazer ainda ignora!

    XVIII

     

       Não     há transição para o Romantismo.   Bucolismo     – referência ao campo – ovelha.   

    A     natureza como cenário.   

    Pseudônimo     – Nise

    Aquela cinta azul, que o céu estende
    A nossa mão esquerda, aquele grito,
    Com que está toda a noite o corvo aflito
    Dizendo um não sei quê, que não se entende;

    Levantar me de um sonho, quando atende
    O meu ouvido um mísero conflito,
    A tempo, que o voraz lobo maldito
    A minha ovelha mais mimosa ofende;

     

    Encontrar a dormir tão preguiçoso
    Melampo, o meu fiel, que na manada
    Sempre desperto está, sempre ansioso;

    Ah! queira Deus, que minta a sorte irada:
    Mas de tão triste agouro cuidadoso
    Só me lembro de Nise, e de mais nada.

    XIX

     

     

    Não     há transição para o Romantismo.   

    Bucolismo     – referência ao campo.   

    A     natureza como cenário.   

    Pseudônimos     – Corino

    Corino, vai buscar aquela ovelha,

    Que grita lá no campo, e dormiu fora;

    Anda; acorda, pastor; que sai a Aurora:

    Como vem tão risonha, e tão vermelha!

     

    Já perdi noutro tempo uma parelha
    Por teu respeito; queira Deus, que agora
    Não se me vá também estoutra embora;
    Pois não queres ouvir, quem te aconselha.

     

    Que sono será este tão pesado!
    Nada responde, nada diz Corino:
    Ora em que mãos está meu pobre gado!

     

    Mas ai de mim! que cego desatino.
    Como te hei de acusar de descuidado,
    Se toda a culpa tua é meu destino!

    XX

     

    Não     há transição para o Romantismo.

       Bucolismo     – referência ao campo.  
     A     natureza como cenário.   

    Ai de mim! como estou tão descuidado!
    Como do meu rebanho assim me esqueço,
    Que vendo o trasmalhar no mato espesso,
    Em lugar de o tornar, fico pasmado!

     

    Ouço o rumor que faz desaforado
    O lobo nos redis; ouço o sucesso
    Da ovelha, do pastor; e desconheço
    Não menos, do que ao dono, o mesmo gado:

     

    Da fonte dos meus olhos nunca enxuta
    A corrente fatal, fico indeciso,
    Ao ver, quanto em meu dano se executa.

     

    Um pouco apenas meu pesar suavizo,
    Quando nas serras o meu mal se escuta;
    Que triste alívio! ah infeliz Daliso!

    XXI

     

       Não     há transição para o Romantismo.  
     Bucolismo     – referência ao campo.   

    A     natureza como cenário.

       Pseudônimo:     Fido   

    De um ramo desta faia pendurado
    Veja o instrumento estar do pastor Fido;
    Daquele, que entre os mais era aplaudido,
    Se alguma vez nas selvas escutado.

     

    Ser eternamente consagrado
    Um ai saudoso, um fúnebre gemido;
    Enquanto for no monte repetido
    O seu nome, o seu canto levantado.

     

    Se chegas a este sítio, e te persuade
    A algum pesar a sua desventura,
    Corresponde em afetos de piedade;

    Lembra te, caminhante, da ternura
    De seu canto suave; e uma saudade
    Por obséquio dedica à sepultura.

    XXII

     

       Não     há transição para o Romantismo.   Bucolismo     – referência ao campo.

       A     natureza como cenário.   Pseudônimo:     Fido

       Referência     à mitologia   

     

    Neste álamo sombrio, aonde a escura

    Noite produz a imagem do segredo;

    Em que apenas distingue o próprio medo

    Do feio assombro a hórrida figura;

    Aqui, onde não geme, nem murmura
    Zéfiro brando em fúnebre arvoredo,
    Sentado sabre o tosco de um penedo
    Chorava Fido a sua desventura.

     

    As lágrimas a penha enternecida
    Um rio fecundou, donde manava
    D’ânsia mortal a cópia derretida:

     

    A natureza em ambos se mudava;
    Abalava-se a penha comovida;
    Fido, estátua da dor, se congelava.

    XXIII

     

    Não     há transição para o Romantismo.

       Pseudônimo:     Almena, Filomena   Objetivismo

       Convencionalismo     amoroso: o amor é um jogo de sedução   

     

    Tu sonora corrente, fonte pura,

    Testemunha fiel da minha pena,

    Sabe, que a sempre dura, e ingrata

    Almena Contra o meu rendimento se conjura:

     

    Aqui me manda estar nesta espessura,
    Ouvindo a triste voz da Filomena,
    E bem que este martírio hoje me ordena,
    Jamais espero ter melhor ventura.

     

    Veio a dar me somente uma esperança
    Nova ideia do ódio; pois sabia,
    Que o rigor não me assusta, nem me cansa:

     

    Vendo a tanto crescer minha porfia,
    Quis mudar de tormento; e por vingança
    Foi buscar no favor a tirania.

    XXIV

     

    Não     há transição para o Romantismo.

       Aurea     mediocrita: busca simplicidade, o equilíbrio de ouro – “aquele, que no     horror de uma pobreza, anda sempre infeliz, sempre vexado”.   

       

    Sonha em torrentes d’água, o que abrasado
    Na sede ardente está; sonha em riqueza
    Aquele, que no horror de uma pobreza
    Anda sempre infeliz, sempre vexado:

     

    Assim na agitação de meu cuidado
    De um contínuo delírio esta alma presa,
    Quando é tudo rigor, tudo aspereza,
    Me finjo no prazer de um doce estado.

     

    Ao despertar a louca fantasia
    Do enfermo, do mendigo, se descobre
    Do torpe engano seu a imagem fria:

    Que importa, pois que a ideia alívios cobre,
    Se apesar desta ingrata aleivosia,
    Quanto mais rico estou, estou mais pobre.

    XXV

     

    Não     há transição para o Romantismo.

       Psedônimo:     Lise.   Convencionalismo     amoroso: o amor é um jogo de sedução.   

       

    Não de tigres as testas descarnadas,
    Não de hircanos leões a pele dura,
    Por sacrifício à tua formosura,
    Aqui te deixo, ó Lise, penduradas:

     

     

    Ânsias ardentes, lágrimas cansadas,
    Com que meu rosto enfim se desfigura,
    São, bela ninfa, a vítima mais pura,
    Que as tuas aras guardarão sagradas.

     

    Outro as flores, e frutos, que te envia,
    Corte nos montes, corte nas florestas;
    Que eu rendo as mágoas, que por ti sentia:

     

    Mas entre flores, frutos, peles, testas,
    Para adornar o altar da tirania,
    Que outra vítima queres mais, do que estas ?

    XXVI

     

       Não     há transição para o Romantismo.Psedônimo:     Nise

    Convencionalismo     amoroso: o amor é um jogo de sedução.

    Não vês, Nise, este vento desabrido,

    Que arranca os duros troncos?

    Não vês esta, Que vem cobrindo o céu, sombra funesta,

    Entre o horror de um relâmpago incendido?

     

    Não vês a cada instante o ar partido
    Dessas linhas de fogo? Tudo cresta,
    Tudo consome, tudo arrasa, e infesta,
    O raio a cada instante despedido.

     

    Ah! não temas o estrago, que ameaça
    A tormenta fatal; que o Céu destina
    Vejas mais feia, mais cruel desgraça:

     

    Rasga o meu peito, já que és tão ferina;
    Verás a tempestade, que em mim passa;
    Conhecerás então, o que é ruína.

     

    XXVII

     

       Não     há transição para o Romantismo.   Bucolismo:     referência ao campo (sítio)

       Locus     amoenus – o sítio   

    Apressa se a tocar o caminhante
    O pouso, que lhe marca a luz do dia;
    E da sua esperança se confia,
    Que chegue a entrar no porto o navegante;

    Nem aquele sem termo passa avante
    Na longa, duvidosa e incerta via;
    Nem este atravessando a região fria
    Vai levando sem rumo o curso errante:

     

    Depois que um breve tempo houver passado,
    Um se verá sobre a segura areia,
    Chegará o outro ao sítio desejado:

    Eu só, tendo de penas a alma cheia,
    Não tenho, que esperar; que o meu cuidado
    Faz, que gire sem norte a minha ideia.

    XXVIII

     

    Não     há transição para o Romantismo.

       Psedônimo:     Anarda   Convencionalismo     amoroso: o amor é um jogo de sedução.

     

    Faz a imaginação de um bem amado,
    Que nele se transforme o peito amante;
    Daqui vem, que a minha alma delirante
    Se não distingue já do meu cuidado.

    Nesta doce loucura arrebatado
    Anarda cuido ver, bem que distante;
    Mas ao passo, que a busco neste instante
    Me vejo no meu mal desenganado.

     

    Pois se Anarda em mim vive, e eu nela vivo,
    E por força da ideia me converto
    Na bela causa de meu fogo ativo;

     

    Como nas tristes lágrimas, que verto,
    Ao querer contrastar seu gênio esquivo,
    Tão longe dela estou, e estou tão perto.

    XXIX

     

    Não     há transição para o Romantismo.

    Psedônimo:     NiseConvencionalismo     amoroso: o amor é um jogo de sedução.

     

    Ai Nise amada! se este meu tormento,

    Se estes meus sentidíssimos gemidos

    Lá no teu peito, lá nos teus ouvidos

    Achar pudessem brando acolhimento;

     

    Como alegre em servir-te, como atento
    Meus votos tributara agradecidos!
    Por séculos de males bem sofridos
    Trocara todo o meu contentamento.

     

    Mas se na incontrastável, pedra dura
    De teu rigor não há correspondência,
    Para os doces afetos de ternura;

     

    Cesse de meus suspiros a veemência;
    Que é fazer mais soberba a formosura
    Adorar o rigor da resistência.
    null