Aluísio Jorge de Andrade Franco

Publicidade
  • Aluísio Jorge de Andrade Franco, mais conhecido como Jorge Andrade (Barretos, 21 de maio de 1922 — São Paulo, 13 de março de 1984), foi um dramaturgo e escritor brasileiro.

    Jorge Andrade começou sua carreira após ser apresentado, na década de 1950, à atriz Cacilda Becker, quando tinha 28 anos. Ela o incentivou a escrever para teatro. Mas ele queria ser ator, e aí Jorge entrou para a Escola de Arte Dramática da USP.

    Publicidade

    Sua obra faz uma reconstrução da história do Brasil, sobretudo o ciclo do café, além de focalizar o problema da decadência dos valores patriarcais.

    Estreou profissionalmente como dramaturgo em 1954, com “A Moratória”, conquistando o Prêmio Saci. Seguiram-se várias peças de 5 sucesso, como “Vereda da Salvação” e “Pedreira das Almas”. Publicou, em seguida, a compilação do seu ciclo dramático, “Marta, a Árvore e o Relógio”, narrando a formação da sociedade paulista e brasileira.
    O seu maior sucesso teatral, a peça “Os Ossos do Barão”, permanece até hoje, mais de quatro décadas depois, como uma marca de qualidade dos bons tempos do Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC.

    Sua estreia na televisão foi com a telenovela “Os Ossos do Barão”, em 1973. Era uma adaptação que fundia duas peças: “A Escada” e “Os Ossos do Barão”. Tornou-se polêmico e incompreendido com O Grito, em 1975.

    Publicidade

    Em 1978 publicou o romance autobiográfico “Labirinto”, e, em 1979, escreveu “Gaivotas” para a TV Tupi, trabalho que lhe valeu o prêmio de melhor escritor de televisão do ano conferido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte.

    Seus últimos trabalhos para a televisão foram na TV Bandeirantes, na década de 1980, com “Os Adolescentes”, “Ninho da Serpente” (um de seus maiores êxitos) e “Sabor de Mel”, sua última novela, estrelada por Raul Cortez e Sandra Bréa.

    Outras obras teatrais de Jorge Andrade são “Senhora na Boca do Lixo”, “Rasto Atrás”, “As Confrarias”, “Milagre na Cela” e “O Sumidouro”.

    Publicidade

    Jorge Andrade morreu vítima de uma embolia pulmonar, no INCOR, na cidade de São Paulo, seis meses depois de ter realizado uma operação para a implantação de três pontes safena e de ter sofrido um enfarte durante essa cirurgia.
    null